Armadilha de Arco-Íris e o futuro da computação

7 03 2010

Em 2007 dois pesquisadores britânicos teorizaram um dispositivo que eles chamaram de  “alçapão de arco-íris”, sendo um dispositivo composto por uma lenteque seria responsável pela reflexão, dispersão e refração de um feixe de luz para o interior do artefato que teria uma  placa com várias camadas de espelhos de metamateriais que poderia capturar o feixe de luz, não permitindo sua dispersão:

Stopping light in metamaterials: the trapped rainbow

Na época vários grupos ao redor do mundo, acreditando na teoria trabalharam alucinadamente tentando criar um protótipo funcional deste dispositivo e no final de 2009 um grupo de pesquisadores americanos conseguiu obter sucesso e com um aparato muito simples provaram o conceito da “armadilha de arco-íris”, demonstrando que os físicos britânicos estavam certos:

Rainbow trapped for the first time

Quando comentei este feito com um colega pela primeira vez, logo que via a notícia na semana que ela foi publicada na New Scientist, ele fez aquele clássico comentário: este pessoal não tem nada mais importante para fazer?

Bem, esta técnica poderá ser útil para armazenar informações de forma puramente ótica, algo que irá revolucionar a computação (e talvez a vida) no futuro, eliminando a necessidade de conversões de sinais óticos em eletrônicos, facilitando o processo de  manipulação de fótons e proporcionando a criação de  meios de armazenamento de informações revolucionário. E considerando que em 2009 também surgiu o primeiro processador quântico fotônico autêntico podemos elucubrar que parte do futuro da computação está na fotônica e esta nova descoberta é certamento um grande marco.

Quer algo mais útil do que isto? 🙂

Ruminando e divagando sobre este assunto com um amigo este final de semana, ele lembrou do filme Minority Report e de um cartão  de armazenamento que parecia que as imagens estavam armazenadas de modo fotônico, visto que elas podiam ser parcialmente vistas sem mesmo estar no seu respectivo driver de leitura.

Com a evolução das pesquisas do grafeno, dos metamateriais e outros daqui a alguns anos silício será coisa do passado, se bobear armazenamento magnético também e por consequencias do entrelaçamento quântico a velocidade da luz irá parecer velocidade tartarugal, imaginou como será a computação e o futuro das telecomunicações?

No final de 2008, escrevi um post onde eu brincava que em 2050 “telepatia sintética” seria coisa do passado, bom, o DARPA tem financiado pesquisas nesta área e isto da tem a ver com ESP, visto que a tecnologia é puramente baseada em neurociência e telecomunicações, sendo-se que o artefato que possibilitará tal feito é puramente um dispositivo de neuroengenharia, área que tende a evoluir muito no futuro e aposto que vários dos “neuroengenheiros” serão nascerão a partir do fascínio pelos brinquedos Mindflex e o Star Wars Force Trainer.

Mas o quê a armadilha de arco-íris e a q-telepatia tem em comum? A resposta é: computação quântica. A neuroengenharia continuará presente, porém o processador quântico será peça fundamental.

E breve, os neurohackers já não serão mais atores da ficção cyberpunk e sim do novo contexto neurotecnológico do balaio de gato que será o admirável mundo novo da computação, fico imaginando a segunda (ou será terceira?) geração que será os q-neurohackers.

Anúncios