EB – Projeto MK-ULTRA & Neurohacking

11 07 2011

Texto publicado originalmente em 27/05/2009 na coluna Ensaios de Borda do Fringe Lab, dentro do contexto da coluna de mashup de ficção, história, realidade e conjecturas especulatórias:

Desde o primeiro capítulo de Fringe, temos ouvido que o Dr.Bishop teve financiamento do DARPA para realizar as mais estranhas pesquisas entre as décadas de 60 e 90, tendo atendido os militares das mais diversas formas, em muitos casos realizando pesquisas utilizando mescalina, LSD (a preferida do Dr.Bishop e parece que também muito apreciada por Dr.Bell) além de outras drogas experimentais (cortexiphan) utilizando cobaias humanas (sem seu consentimento) e seus objetivos estavam relacionadas a controle mental, seja para transferência de memórias e amplificação de ESP (Percepção Extra-Sensorial) em crianças entre outas modalidades de experiências químicas e físicas, tendo outrora utilizado DNI (Direct Neural Interfaces) e tanque de isolação sensorial. Porém o mais curioso é que neste parágrafo os principais elementos de ficção são: Fringe, Dr.Bishop e o Dr.Bell.

Continue lendo »





EB – Teoria da PSI FQ

11 07 2011

Publicado originalmente na coluna “Ensaios de Borda” em 01/07/09 do Fringe Lab, este é um texto que escrevi dentro da proposta da coluna que tem um mix de análise de ficção científica dentro de um contexto histórico de neurociência e neroengenharia:

Hoje sabemos que as suspeitas de David Jones se confirmaram, mesmo ainda estando indefinido o autor da manifestação telecinética que apagou as 47 lâmpadas no teste de Belly em Ability, em The Road Not Taken a agente Olívia Dunham apresentou uma promnésia intensa e um pouco antes em Bad Dreams descobriu-se uma ligação telepática crônica com Nick Lane, aparentemente fruto de estimulação por cortexiphan quando eles eram crianças e passaram por experiências na base militar em Jacksonville, portanto ela é especial ou como eu costumo chamar, ela é uma pessoa (de psyche) amplificada. Porém o que possibilita a Olivia ter estas manifestações paranormais?

Seja uma forma de PES (percepção extra-sensorial) ou anomalia cognitiva, na vida real alguns eventos que ocorrem desde a antiguidade que classificamos como coincidência – como o de pensarmos em alguém segundos ou minutos antes dela entrar em contato por telefone ou ter algum sentimento de dor e lembrar de alguém no exato momento que esta passa por algum problema sério ou está morrendo  são classificados como DNS (Distant Neural Signaling ou Sinalização Neural Remota) pela neurociência,como o Dr.Walter Bishop o chamaria, sendo também classificada como telepatia espontânea pela parapsicologia e certamente seria assim que Peter Bishop o chamaria.

Continue lendo »





Leptoniando: Toda computação é sempre física

25 08 2010

Seja C, C++, Python, Java, Ruby ou Brainf*ck, independente de sua linguagem preferida, durante a análise léxica, sintática, semântica, geração do código executável ou em qualquer outra operação, na execução de programas, independente da arquitetura de run-time e dependência que ela tenha, seja instruções bare-metal ou dependente de algum sistema operacional, rodando na CPU de um ignorado microcontrolador presente em seu relógio, celular ou na CPU do seu idolatrado (ou cobiçado) notebook ou nas células de uma cloud computing, não há o que discutir, a computação é sempre um fluxo de partículas, sejam léptons do tipo elétron ou bósons de calibre como o fóton. Tudo bem que seja por influência de algum fenômeno eventualmente não se comportam como nós esperamos, porém sabendo disto determinamos faixas de tolerância e assim os mal comportados acabam sendo desprezados e vamos levando a vida praticamente sem perceber estes rebeldes e a física flui, ou tenta, nos favorecendo neste admirável mundo computacional.

Continue lendo »





Armadilha de Arco-Íris e o futuro da computação

7 03 2010

Em 2007 dois pesquisadores britânicos teorizaram um dispositivo que eles chamaram de  “alçapão de arco-íris”, sendo um dispositivo composto por uma lenteque seria responsável pela reflexão, dispersão e refração de um feixe de luz para o interior do artefato que teria uma  placa com várias camadas de espelhos de metamateriais que poderia capturar o feixe de luz, não permitindo sua dispersão:

Stopping light in metamaterials: the trapped rainbow

Na época vários grupos ao redor do mundo, acreditando na teoria trabalharam alucinadamente tentando criar um protótipo funcional deste dispositivo e no final de 2009 um grupo de pesquisadores americanos conseguiu obter sucesso e com um aparato muito simples provaram o conceito da “armadilha de arco-íris”, demonstrando que os físicos britânicos estavam certos:

Rainbow trapped for the first time

Quando comentei este feito com um colega pela primeira vez, logo que via a notícia na semana que ela foi publicada na New Scientist, ele fez aquele clássico comentário: este pessoal não tem nada mais importante para fazer?

Bem, esta técnica poderá ser útil para armazenar informações de forma puramente ótica, algo que irá revolucionar a computação (e talvez a vida) no futuro, eliminando a necessidade de conversões de sinais óticos em eletrônicos, facilitando o processo de  manipulação de fótons e proporcionando a criação de  meios de armazenamento de informações revolucionário. E considerando que em 2009 também surgiu o primeiro processador quântico fotônico autêntico podemos elucubrar que parte do futuro da computação está na fotônica e esta nova descoberta é certamento um grande marco.

Quer algo mais útil do que isto? 🙂

Ruminando e divagando sobre este assunto com um amigo este final de semana, ele lembrou do filme Minority Report e de um cartão  de armazenamento que parecia que as imagens estavam armazenadas de modo fotônico, visto que elas podiam ser parcialmente vistas sem mesmo estar no seu respectivo driver de leitura.

Com a evolução das pesquisas do grafeno, dos metamateriais e outros daqui a alguns anos silício será coisa do passado, se bobear armazenamento magnético também e por consequencias do entrelaçamento quântico a velocidade da luz irá parecer velocidade tartarugal, imaginou como será a computação e o futuro das telecomunicações?

No final de 2008, escrevi um post onde eu brincava que em 2050 “telepatia sintética” seria coisa do passado, bom, o DARPA tem financiado pesquisas nesta área e isto da tem a ver com ESP, visto que a tecnologia é puramente baseada em neurociência e telecomunicações, sendo-se que o artefato que possibilitará tal feito é puramente um dispositivo de neuroengenharia, área que tende a evoluir muito no futuro e aposto que vários dos “neuroengenheiros” serão nascerão a partir do fascínio pelos brinquedos Mindflex e o Star Wars Force Trainer.

Mas o quê a armadilha de arco-íris e a q-telepatia tem em comum? A resposta é: computação quântica. A neuroengenharia continuará presente, porém o processador quântico será peça fundamental.

E breve, os neurohackers já não serão mais atores da ficção cyberpunk e sim do novo contexto neurotecnológico do balaio de gato que será o admirável mundo novo da computação, fico imaginando a segunda (ou será terceira?) geração que será os q-neurohackers.





MRNN Brasil – Para discussão de soluções MRNN ( N1NF | NoSQL – NotOnlySQL )

31 01 2010

Apesar de extremamente prazeroso (ou às vezes nem tanto) acompanhar mailists e foruns nem sempre é tarefa fácil, seja pelo rumo que certas discussões geram, pela falta de tempo  ou às vezes pela questão do foco. Acredito eu, que eventualmente todos vêem um assunto que é meio (ou inteiramente) off-topic sendo tratado com certo pudor, mas que você gostaria que a discussão evoluísse mas a própria lista e a netiqueta não permite.

Alguns dizem que a relação entre arquiteto e programador é de confiança e compreensão, arquitetos não confiam em programadores e estes não compreendem os arquitetos!

Continue lendo »





Luminescência, meu tio José e Avatar

25 01 2010

Final de ano, num rancho a beira-rio, curtindo o feriadão com a família, meus primos tiveram a idéia de fazer uma festa (que para minha surpresa havia sido preparada com boa antecedência) com direito a vários badulaques e inclusive com lightsticks (à volonté como diria os franceses ou à la vonté como nós abrasileiramos e gostamos de dizer) que sempre dá um tom alegre a festas noturnas e sempre leva a criançada (e inclusive vários marmanjos) a brincar diante das lâmpadas ultra-violetas, devido aos agradáveis efeitos visuais que tal combinação produz, sendo sempre um bom elemento para complementar a diversão.

Após a festa e em momento oportuno, meu sábio tio José, que tem uma curiosidade que eu muito aprecio,  me fez a seguinte pergunta:

– O que faz estas pulseiras brilharem? Elas são realmente de neon?

Continue lendo »





VI Encontro de Programadores C & C++

18 01 2010

O core de organização de eventos do grupo C & C++ Brasil, com colaboração da  Liga dos Programadores Indepentes mais alguns colaboradores e com apoio da galera do hashtag #ccppbrasil_meetings estão trabalhando na remotada dos eventos do grupo C & C++ Brasil para 2010, sendo-se que o primeiro evento será o encontro de programadores que está programado para o dia 06 de fevereiro de 2010 em São Paulo.

A programação ainda não está fechada mas há propostas de palestras sobre concorrência para C++, robótica, programação segura entre outras.

Maiores detalhes em http://www.ccppbrasil.org/wiki/Grupo:Encontro_VI

Está em planejamento também um encontro do pessoal de Porto Alegre.

Em breve será divulgado uma previsão de  agenda para 2010.

Bons códigos e nos vemos lá!

Namastê!