Este símbolo representa sua causa?

16 06 2013


guy-fawkes

Hoje em dia este é um ícone muito conhecido, sendo muito comum ver alguns ativistas protestando por direitos democráticos, pela paz, pelos direitos humanos, pelo combate a corrupção, contra o sistema e por um mundo melhor entre outras causas utilizando esta “máscara” em manifestações, esta que representa do rosto de Guy Fawkes.

Muitos se espelham na ficção no qual ela foi iconizada pelo V, personagem de HQ  de ficção científica e fantasia da década de 80 e 90 de Alan Moore,  sendo o símbolo de um  assassino justiceiro violento que queria dar um golpe de estado, ficando mais conhecido pelo filme de James McTeigue de 2006, estrelado por Natalie Portman e pelo Hugo Weaving. Que foi considerado por alguns como a adaptação mais detestável para o cinema de um HQ, mas acho que há casos piores.

 Na vida real, na Inglaterra, esta é considerada a face da traição, que representa um ícone histórico que é cultuado todos os anos  na noite de Guy Fawkes por seu fracasso.

Fawkes, foi um militar especialista em explosivos, que participou da tentativa de um golpe de estado, a Conspiração (ou Revolta) da Pólvora, via um regicídio contra o rei protestante Jaime I  e todo o parlamento da Grã-Bretanha em 1605.  Mas a conspiração falhou, os membros foram presos, torturados e executados. Houve jesuíta que participou do golpe que foi afogado, decapitado e esquartejado só para dar exemplo. No dia 5 de novembro, tradicionalmente, ocorre uma festa popular nas ruas da Grã-Bretanha onde, semelhante ao malhar o Judas que ocorre no Brasil, o alvo é um boneco de Fawkes que depois é queimado numa fogueira e então soltam fogos de artifícios, sendo o  personagem mais lembrado deste evento histórico,  que acabou sendo traído por seu gênio e morreu sem ter alcançado seus objetivos, felizmente, pois todos os indícios indicam que o novo regime teria sido péssimo para o Reino Unido.

Minha grande curiosidade:  este símbolo realmente te representa?

Leia o resto deste post »





Mistérios do SMS – bits, bytes, mitos e modelos mentais

10 06 2012

Ainda sobre mitos

Call flow for the Mobile Terminated short mess...

Call flow for the Mobile Terminated short message service (Photo credit: Wikipedia)

Quando eu atuava com desenvolvimento de soluções para  Telematics Security, certa vez, conversando com um engenheiro de suporte que me apresentaram como o papa dos SMS (Short Message Service) de uma representante local de um fabricante de módulos de comunicação GSM, perguntei a ele o quanto o  módulo dele era compliance com o  padrão 3GPP TS 23.040 (Technical Realization of the Short Message Service) e a resposta dele foi que não tinha nada a ver uma coisa com a outra, que o manual do produto deveria ser seguido sempre.  Eu repeti a questão de uma outra forma e  a resposta foi similar! Aquela resposta não fazia sentido algum, até poucos meses antes eu havia testado um módulo de comunicação de um outro fabricante e encontrei problemas de aderência que reportei ao fabricante;  ele comentou que era um problema conhecido e que em breve isto seria corrigido, de verdade levou 3 anos para isto ocorrer, mas tudo bem. Porém preferi  ignorar a resposta deste engenheiro brasileiro e preferi falar sobre outros assuntos, que de verdade estavam mais ligados a nossa pauta.

Noutro momento, perguntei para um engenheiro de suporte de um outro fornecedor, como eu ativava o MUX do módulo para operar com canais simultâneos de GPRS e SMS, o mesmo falou que isto não era possível; bom olhando o manual do módulo dele em alguns minutos vi referências ao MUX e pedi exatamente o manual no qual aquela linha daquela página do manual estava se referindo, ele me perguntou para que eu queria aquele documento? Pois tudo o que eu precisava estava no manual no qual eu estava lendo. Com o tempo fui descobrir que entre application notes, datasheets e manuais, o produto dele tinha cerca de 9 documentos e só aquele manual era insuficiente.

Leia o resto deste post »





Mitos e Verdade – O Dossiê Farewell e Stuxnet

9 06 2012

siberia_img

Uma das históricas clássicas de ações para-militares cibernéticas da década de 80 é o famoso caso da explosão do gasoduto  Trans-Siberiano em junho de 1982, que segundo duas fontes foi uma sabotagem do sistema SCADA perpetuado pela CIA. Quando comentei esta história com meu amigo DQ, na mesma hora ele questionou-me: será que não é mais uma lenda urbana sobre a CIA? E então respondi a ele que ao que parece não, pois há duas fontes consideradas seguras sobre o acontecido, o Dossiê Farewel e um livro de Thoma C. Reed, um ex-Secretário da Força Área dos EUA, o “At the Abyss – An Insider´s History of the Cold War, de 2005.

Leia o resto deste post »