Go: C + Python com tempero de Erlang, Oberon, Limbo para concorrer com C++ by Google

12 11 2009

Go Mascote Uma linguagem com as facilidades sintáticas de Python, porém estática e que gere executáveis com opcodes com pouca dependência e desempenho similar aos de C e que desfrute dos recursos computacionais de concorrência que os atuais processadores e computadores oferecem com facilidade é algo que muitos, a muito tempo desejavam.  Conheço engenheiros que só tem C e Assembly como opção e que sempre costuma afirmar que “odeiam C”, pelos clássicos problemas da linguagem e compiladores.

Para minha surpresa li este artigo ontem no Slashdot:

Go, Google’s New Open Source Programming Language

Continue lendo »

Anúncios




Temos a tecnologia… e agora?

1 11 2007

Sou um entusiasta do F#, pois foi a linguagens mais próxima de OCAML que encontrei e gostei muito das experiências que tive com ela, porém foram experiências de pesquisa muito pontuais.

Algo que tenho visto com freqüência nos últimos anos, é que certas buzzwords são proclamadas aos quatro ventos, nem sempre vinculadas a verdadeiras inovações, porém quando os produtos que implementam estas as tecnologias são efetivamente disponibilizados ou estes não obtém o devido o sucesso comercial esperado ou as features não são utilizadas da forma devida.

Um destes exemplos são os serviços de Spatial Data Mining e GIS, Serviços de Informação Geográfica, que efetivamente não teve o proclamado “boom”.  Situação que o Google, a Microsoft e o Yahoo talvez ajudem a reverter com suas iscas de GIS.

Ultimamente tenho ouvido muito falar de mashups, o conceito é interessante, tenho lido e ouvido falar muito a respeito dele, a Gartnet aponta o conceito como uma das grandes tendências e recentemente no Microsoft Track o Otavio Pecego Coelho  enfatizou o tempo todo, assim como S+S, ESB, ISB, SAAS e web 2.0.  Porém, tenho minhas dúvidas se os provedores de soluções irão obter grande sucesso na implementação de mashups com sucesso efetivo, porém a Microsoft tem trabalhando em sua grande isca; o Popfly [1]

Da mesma forma, eu já estava comentando recentemente com um amigo, que as linguagens dinâmicas estão surgindo porém não se vê muito comentar sobre algoritmos de programação dinâmica e agora está chegando a vez das linguagens funcionais, até então  popular no meio acadêmico e que fora dele sempre tem conquistado o seu WPT,vide o post tem para todos gostos [2] do Straus; onde ele questiona a utilização do OCAML no ICFP.

Por um acaso vi o post Renascimento [3] do Otávio que aborda justamente este sentimento. Como comentei num post anterior , acho que quando o Somasegar [4] afirma que uma das expectativas sobre o F# é consquistar mais o espaço acadêmico, é porquê o próprio pessoal da Microsoft sabe que sua utilização será mais pontual no meio científico.  Talvez eles obtenham sucesso por um fator extremamente significante; o Visual Studio e o MSDN AA (Academy Alliance). Uma resposta a esta iniciativa,  pode ser uma maior investida do EclipseFP ou Eclipse OCaML [5], agora é só ver o que acontece se a ajuda da Microsoft será direto (na adoração do F#)  ou indireto; via o fortalecimento do OCAML.

Façam suas apostas! :o)

[1] Popfly

[2] Tem para todos gostos

[3] Renascimento

[4] Anúncio do F# pelo Somasegar

[5] EclipseFP ou Eclipse OCaML





ATL Server terá código liberado

11 02 2007

Por esta ninguém esperava, a equipe do Visual de C++ anuncia [1] que tem planos de liberar o código de fonte do ATL Server [2] com a lincença “Shared Source” [3] no CodePlex [4] em março de 2007. O objetivo deles é que os desenvolvedores que possuem suas extensões para o ATL Server o adicionem diretamente no projeto mãe, além de tentar acelerar os ciclos de desenvolvimento do projeto.

[1] ATL Server: Visual C++ shared source software

[2] ATL Server: Visual C++ Concepts: Adding Functionality

[3] Shared Source Licenses

[4] CodePlex





Qual é a melhor metáfora?

16 09 2006

Fred Brooks diz que escrever software é como cultivar, caçar lobisomens ou abater dinossauros num fosso de piche (1995). David Gries que é uma ciência (1981). Donald Knuth que é uma arte (1988) Watts Humphrey que é um processo (1989). P.J.Plauger e Kent Beck afirma que é como dirigir um carro (Plauger 1993, Beck 2000). Alistair Cockburn que é um jogo (2001). Eric Raymond que é como um bazar (2000).”

Qual é a melhor metáfora? 🙂 Talvez nenhuma delas, mas achei este trecho do Code Complete bem pitoresca…

Ref: # Code Complete, Second Edition de Steve McConnell