Open Hardware & meus insetos…

26 10 2008

Não sou entomologista, mas ultimamente tenho dado bastante atenção, codificando, debugando e me divertindo com meus insetos, sendo os meus atuais alvos um ATmega644p numa placa Sanguino e um AT91SAM7X256 numa placa Make Controller, sendo ambos projetos de Open Hardware bem interessantes, em virtude dos projetos que estou envolvido não tem sobrado muito tempo para isto, mas são para estes caras que tenho codado ultimamente em meu tempo livre, com foco tanto na utilização de Python Embedded como no desenvolvimento de um robot que a passos tartaruguais tem evoluído, porém as diversas experiências que tenho realizado tem compensado esta lentidão. Entre uma codificação e outra, sempre penso que eu deveria postar isto ou aquilo neste blog, porém não tenho feito e acabei deixando um silêncio quase eternal nele, agora com este silêncio quebrado prometo publicar com uma certa freqüência conteúdo relativo a estas minhas últimas pesquisas e desenvolvimentos, com o esforço de tentar escrever conteúdo interessante.

O Sanguino é um clone do Arduino bombado, como o Jê já havia comentado em seu blog. Algo que portei para ele com sucesso e fiz várias brincadeiras foi o PyMite que é um port de Python para microcontroladores de 8 a 16-bits, sendo um subset do Python 2.5, além de vários programas em C++ serviram como prova de conceito para mostrar que é possível sim desenvolver firmware em C++, desde que alguns cuidados sejam tomados, porém como o Dan Saks diria, embedded systems programming para certos microcontroladores é um mundo de limitações portanto não há novidades aqui. Dan é um dos grandes defensores da utilização de C++ em embedded systems, palestrando em vários eventos de grante porte sobre C++ Bare-Metal, inclusive o Galuppo é um dos amigos que tenho que já assistiu uma palestra dele e afirmou que ele é um show-man.

Algo que tem me chamado a atenção, é que nos últimos meses ouvi relato de 5 colegas que estavam envolvidos no desenvolvimento de RTOS. Destes 3 são para uso restrito das empresas desenvolvedoras onde em duas a decisão de “reinventar a roda” partiu de problemas com licenciamento, outro caso é de uma empresa que está sendo projetado um para uso em um segmento de mercado específico procurando ser uma alternativa para facilitar o desenvolvimento de embedded systems neste segmento e um outro em breve será lançado publicamente com uma versão Open Source. Minhas experiências tem sido com o eCos, uCLinux e com FreeRTOS, sendo-se que deste último, prometo escrever algo nos próximos posts. Assim, deixo claro que apesar de eu gostar de código bare-metal não sofro de OSofobia, mal que atinge programadores de sistemas embarcados.

Anúncios




Segurança no Android

8 11 2007

Após ler o meu post Python & Android [1] um amigo questionou-me sobre o que eu pensava a respeito da segurança no Android, visto que se for possível criar scripts para o Android do OHA [2] como se faz para qualquer OS, talvez ele seria um tanto vulnerável. O curioso é que eu respondi algo muito parecido com um comentário que li posteriormente, do Mikko da F-Secure [3] que basicamente é o seguinte:

Continue lendo »





Python & Android – Open Handset Alliance

7 11 2007

 

Depois de meses de boatos, felizmente o projeto de mobile do Google – a Plataforma Android [1] – não está tomando o caminho de tornar-se um forte candidato para entrar no próximo ranking da Wired de maiores Vaporwares do mercado [2], mas sim está no caminho de tornar-se uma feliz realidade. E penso que este projeto será muito feliz também para a vida do Python nos celulares, visto que os projetos existentes até o momento de Python para celulares e dispositivos móveis afins [3] era baseado em diversos projetos, nem sempre bem implementados; e sendo o Google um dos maiores entusiastas do Python alguns passos deste projeto ficam muito evidentes.

 

Com o Google tornando público a Open Handset Alliance [4], divulgando o pool de empresas associadas ao seu empreendimento, que vai de encontro com iniciativas anteriores de empresas como a Intel, Motorola, Samsung e NTT DoComo – que posteriormene se uniram no LiMo Foundation  ou apoiaram o OpenMoko – fazem parte da aliança e agora estão juntas, associadas com T-Mobile, Sprint Nextel, Telecom Itália, China Mobila, LG, HTC, eBay, nVidia, Qualcomm e Texas Instruments o projeto já começa a deixar todo muito muito empolgado pois tem indícios que ele não terá concorrência com outros projetos Open Source existentes e resta agora aguardar o que vai acontecer.

A respeito do que o Clifford, atual CEO, da Symbian afirmou do Android é apenas outra plataforma em Linux [5] ele não deixa de ter razão, porém desta vez esta iniciativa tem um bom líder de projeto, com características importantes para o sucesso desta iniciativa e isto é claro ele não vai assumir em público.

Ao meu ver esta fórmula tem tudo para dar certo, pois anteriormente, nestas iniciativas não havia uma empresa com boas características para conduzir o projeto com sucesso, muito pelo contrário, haviam várias empresas concorrentes que é uma composição que nem sempre funciona neste tipo de iniciativa. Estou com “os analistas”, que dizem que o Google talvez seja capaz de perturbar o status quo no setor de telefonia móvel e não acredito que ele está chegando tarde, muito pelo contrário, ele chegou no momento certo.

[1] Plataforma Android

[2] Maiores Vaporwares do mercado

[3] Python ara celulares e dispositivos móveis afins

[4] Open Handset Alliance

[5] Android é apenas outra plataforma em Linux

[6] Google pertubará o status quo no setor de telefonia móvel