Este símbolo representa sua causa?

16 06 2013


guy-fawkes

Hoje em dia este é um ícone muito conhecido, sendo muito comum ver alguns ativistas protestando por direitos democráticos, pela paz, pelos direitos humanos, pelo combate a corrupção, contra o sistema e por um mundo melhor entre outras causas utilizando esta “máscara” em manifestações, esta que representa do rosto de Guy Fawkes.

Muitos se espelham na ficção no qual ela foi iconizada pelo V, personagem de HQ  de ficção científica e fantasia da década de 80 e 90 de Alan Moore,  sendo o símbolo de um  assassino justiceiro violento que queria dar um golpe de estado, ficando mais conhecido pelo filme de James McTeigue de 2006, estrelado por Natalie Portman e pelo Hugo Weaving. Que foi considerado por alguns como a adaptação mais detestável para o cinema de um HQ, mas acho que há casos piores.

 Na vida real, na Inglaterra, esta é considerada a face da traição, que representa um ícone histórico que é cultuado todos os anos  na noite de Guy Fawkes por seu fracasso.

Fawkes, foi um militar especialista em explosivos, que participou da tentativa de um golpe de estado, a Conspiração (ou Revolta) da Pólvora, via um regicídio contra o rei protestante Jaime I  e todo o parlamento da Grã-Bretanha em 1605.  Mas a conspiração falhou, os membros foram presos, torturados e executados. Houve jesuíta que participou do golpe que foi afogado, decapitado e esquartejado só para dar exemplo. No dia 5 de novembro, tradicionalmente, ocorre uma festa popular nas ruas da Grã-Bretanha onde, semelhante ao malhar o Judas que ocorre no Brasil, o alvo é um boneco de Fawkes que depois é queimado numa fogueira e então soltam fogos de artifícios, sendo o  personagem mais lembrado deste evento histórico,  que acabou sendo traído por seu gênio e morreu sem ter alcançado seus objetivos, felizmente, pois todos os indícios indicam que o novo regime teria sido péssimo para o Reino Unido.

Minha grande curiosidade:  este símbolo realmente te representa?

Leia o resto deste post »





Tratando Falhas Conhecidas em Código – Juliet Test Case

14 11 2012

Apoiando o  desenvolvimento de software seguro e de qualidade, muito se fala da OWASP, porém ela é muito focada em Web Applications e nem só de Web vive a indústria de desenvolvimento de software.

Há algumas  iniciativas interessantes, como o da SEI  (Software Engineering Institute),  SafeCode, mas uma que vem me chamando muito a atenção são as do  NSA’s Center for Assured Software (CAS) via o  NIST que mantém o projeto SAMATE (Software Assurance Metrics And Tool Evaluation) Reference Dataset (SRD).

A fim de resolver a crescente falta de qualidade dos softwares utilizados no governo dos EUA, o CAS  foi criado em 2005 com a missão de melhorar a segurança de software empregado por eles. E o CAS tenta cumprir esta missão, entre outras coisas, ajudando as organizações nos processos de implantação de ferramentas para tratar de garantia de todo o ciclo de vida de desenvolvimento de software.

Leia o resto deste post »





VI Encontro de Programadores C & C++

18 01 2010

O core de organização de eventos do grupo C & C++ Brasil, com colaboração da  Liga dos Programadores Indepentes mais alguns colaboradores e com apoio da galera do hashtag #ccppbrasil_meetings estão trabalhando na remotada dos eventos do grupo C & C++ Brasil para 2010, sendo-se que o primeiro evento será o encontro de programadores que está programado para o dia 06 de fevereiro de 2010 em São Paulo.

A programação ainda não está fechada mas há propostas de palestras sobre concorrência para C++, robótica, programação segura entre outras.

Maiores detalhes em http://www.ccppbrasil.org/wiki/Grupo:Encontro_VI

Está em planejamento também um encontro do pessoal de Porto Alegre.

Em breve será divulgado uma previsão de  agenda para 2010.

Bons códigos e nos vemos lá!

Namastê!





Droplet: Um Twitter & Google Reader em C++ para Arduino

30 11 2009

 

Esbarrei com este projeto que achei bastante interessante, como um link às vezes é mais verboso do que mil palavras:

Droplet

 





Debriefing do Seminário C & C++ para Sistemas Embarcados 2009

16 11 2009

Neste 14/11/2009, o portal Embarcados e o grupo C & C++ Brasil com a produção da Tempo Real Eventos realizou, no Hotel Century Paulista em São Paulo, a edição 2009 do Seminário C & C++ para Sistemas Embarcados. Mais uma vez esta foi uma experiência extremamente gratificante,  principalmente pela satisfação que alguns colegas, amigos e o público em geral demonstraram durante o desenvolvimento do seminário e pós sua realização.

O DQ, da Tamid, realizou em seu blog algumas notas e abaixo segue alguns comentário que não representa nem 1% do que foi o seminário:

– O evento iniciou com uma palestra sobre Interfaces de Periféricos com Microcontroladores em C do DQ, que mostrou-se um excelente conteúdo para um Hands On com o subtítulo de “21 formas de piscar um led com linguagem C em vários microcontroladores”! 😛

– Na sequência foi a palestra do Luiz Barros, sobre Otimização de C++ para Sistemas Embarcados, que foi bem interessante e acabei em vários momentos dando meus pitacos, curiosamente mais uma vez confirmei que em aplicações com a plataforma SH4, C++ tem sido amplamente utilizado, durante o evento desenvolvedores de cinco empresas deram este feedback para mim.

– Durante o almoço, entre bits e bytes, conversamos de flamewares (e lembrei da lei do ricbit), assembly vs C++, surgiu a conversa de um projeto que me relataram muito inusitado de um sistema, onde… bom, deixa eu voltar para os relatos do seminário! :^p

– Após o almoço, o Alessandro Cunha, da TechTrainning, apresentou uma palestra que foi muito pontual tanto no assunto quanto no tempo consumido. Nos primeiros contatos com ele, fiz uma sugestão besta de tema e ele conseguiu extrair algo de bom da besteira que apresentei e formatou uma obra prima: Projetando Sistemas Embarcados com Baixo Consumo de Energia, com dicas preciosas que cativaram o público.

E encerrando o conteúdo técnico do seminário,  o Luiz Barros desmistificou o “Desenvolvimento de Device Driver para GNU/Linux”, derepente surgiram algumas pessoas no evento e quando fui conferir descobri que elas vieram apenas para ver esta palestra, alguns até começaram a dizer que perderam o medo do device drivers development. Particularmente nunca tive medo, porém device driver & kernel development é uma arte negra…

Anteriormente ajudei a enumerar 17 formas de acender um led e derepente, não mais que derepente, fez-se a teatralização da piada:

– “quantos engenheiros são necessários para acender um led”

do qual eu participei desta teatralização como coadjuvante, no qual entrei mudo e sai calado e depois me disseram que a resposta seria:

–  “um de hardware, um de firmware e um de software” (tsc)…

Mas o Alessandro Cunha foi além e pensou em escrever o livro 2001 formas de acender um led, mas nem só de led foi o seminário! Houve CAN, RS232, SPI, microcontroladores, C, C++ e felizmente tive a oportunidade rever alguns amigos e realizar alguns contatos preciosos. Particularmente fiquei feliz que uma sugestão que eu dei a Microgênios foi levada a sério e hoje eles também estão produzindo e comercializando a plataforma Arduino no Brasil, assim como troquei figurinhas  sobre os bugs da BeagleBoard com o Luis Barros, conheci um pouco mais sobre a plataforma Tower com vários colegas, vi uma apresentação de uns alunos do Dado, numa EVDK Luminary,  de uns jogos desenvolvidos em eLua que poderiam seduzir muitos aficcionados em jogos; entre muitas outras conversas.

Finalizando oficialmente evento, realizamos um sorte de brindes oferecidos por Texas Instruments, Freescale, Atmel/Kobama, Editora Erica, Tempo Real Eventos, Agit Informática e Microgênios, onde as fotos dos ganhadores podem ser vistas aqui.

Mais uma vez, fui um dos primeiros a chegar no local e um dos últimos a sair do happy hour, que aliás, como sempre, foi uma extensão do evento e o início da organização dos próximos eventos.

Namastê!!!





Go: C + Python com tempero de Erlang, Oberon, Limbo para concorrer com C++ by Google

12 11 2009

Go Mascote Uma linguagem com as facilidades sintáticas de Python, porém estática e que gere executáveis com opcodes com pouca dependência e desempenho similar aos de C e que desfrute dos recursos computacionais de concorrência que os atuais processadores e computadores oferecem com facilidade é algo que muitos, a muito tempo desejavam.  Conheço engenheiros que só tem C e Assembly como opção e que sempre costuma afirmar que “odeiam C”, pelos clássicos problemas da linguagem e compiladores.

Para minha surpresa li este artigo ontem no Slashdot:

Go, Google’s New Open Source Programming Language

Leia o resto deste post »





Notas sobre o Seminário C & C++ para Sistemas Embarcados

18 11 2008

Numa conversa de boteco a uns 6 anos atrás com alguns colegas, falávamos de bits, bytes, C, programação, redes e clusters; eis que surge uma idéia  (talvez inovadora) de distribuição de carga em clusters utilizando pirometro óptico, termômetro digital, amperímetros criando uma grande rede de sensoriamento visando não apenas o balanceamento computacional mas também a economia de energia através do equilíbrio térmico e de consumo de energia no datacenter. Foi neste contexto que foi inserido o assunto microcontroladores na conversa e a maioria dos colegas que estavam na mesa ficaram fascinados. Curiosamente, lendo o blog Arquitetura em Pauta o Otávio comentou que no PDC houve uma apresentação que demonstrou solução similar e vejo agora que a viagem não era tão grande.

Mas voltando às conversas de boteco, já naqueles tempos conversávamos sobre a idéia de encontros e eventos específicos para programadores de C & C++, sendo-se que dentre estes ao menos um deveria ser exclusivo de embedded systems voltados para microcontroladores e como já comentado anteriormente que iria ocorrer, foi realizado no dia 08/11 o seminário C & C++ para Sistemas Embarcados, onde o foco foi adivinha o quê? Sobre o que lá ocorreu, é possível ficar sabendo pelos blogs do DQ , P. e do Diego, assim como por threads na ccppbrasil, programa embedded software e sis_embarcados.

Em paralelo, num outro evento que estava ocorrendo no mesmo dia em São Paulo, o Lameiro e uma galera do Grupy-SP  fez uma implementação pitoresca de sensor networks utilizando AVR numa placa Arduino Diecimila que pela idéia inovadora recebeu um prêmio especial.

Portanto vemos que o assunto microcontroladores está ficando cada vez mais pop, assim como sensor networks que tem sido o campo onde microcontroladores tem sido largamente utilizados, seja para segurança da informação, segurança privada ou telemetria; tornando telematics algo cada vez mais presente em nosso dia-a-dia.

E os feedbacks do seminário foram excepcionais, muito acima do normal, mais críticos do que recebemos dos outros eventos, superando expectativas e nos mostrando que este público de embedded systems quer eventos diferentes do que eles estão acostumados a presenciar, quase nos intimando a repetir a dose e experimentar outros formatos mais ousados; o que na medida do possível tentaremos realizar. Portanto, pedido anotado!